Licenciamento - válido para todos os textos do blog

Licença Creative Commons
Este trabalho de Flávio Raphael Barcellos, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://sobre-fotografar.blogspot.com/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://sobre-fotografar.blogspot.com/p/licenciamento.html.

Avisos iniciais

---

2013-11-23

Reciprocidade – Diafragma, Obturador e ISO


[Meu blog mudou visite o novo clicando aqui]

Esse texto foi revisado e publicado novamente no novo espaço:

Nesse texto, o último da série da técnica básica de fotografia, tratamos da lei da reciprocidade entre a abertura do diafragma, o tempo de exposição a sensibilidade a luz do meio de captura (filme ou sensor).
A lei da reciprocidade diz que o dois controles de exposição e a sensibilidade do meio de captura são inter-relacionados, isto é, uma mesma medição de luz pode ser conseguida com ajustes relacionados envolvendo esses três fatores.
Nos textos anteriores, quando tratamos da abertura do diafragma, do tempode exposição e da sensibilidade do meio (ISO), vimos que esses parâmetros são modificados em pontos (stop, para a abertura do diafragma chamamos de f-stop), com a maioria das câmeras permitindo ajustes em terços de ponto, somente os filmes fotográficos não são comercializados em terços de ponto (as câmeras digitais costumam permitir ajuste de sensibilidade em terços de ponto).
Para simplificar, vamos tratar, primeiramente só da relação entre tempo de exposição e abertura de diafragma. Se deixarmos a sensibilidade do meio fixa (compramos um filme e ele não muda o ISO).
Quando medimos a luz (rever o texto de medição de luz – primeiro da série) e temos um valor de abertura e tempo de exposição, podemos alterar esses valores usando a reciprocidade, se desejamos pouco tempo de exposição, podemos contar quantos pontos (ou terços de pontos) diminuímos o tempo e abrimos o diafragma o mesmo número de pontos (ou terços de ponto). O mesmo vale para quando desejamos aumentar o tempo de exposição e devemos fechar o diafragma para compensar o aumento de luz com mais tempo. Ao fazer as mudanças não estaremos alterando a exposição desejada e realizada na medição de luz.
Exemplo: Se numa dada situação de luz, ao medirmos (lembrando que fixamos o ISO), temos uma abertura de diafragma f/11 e o tempo de exposição 1/60, mas desejamos ter um controle de foco seletivo para que o fundo fique desfocado. Então, podemos passar a abertura do diafragma para f/4 e o tempo de exposição em 1/500. Para passar de f/11 a f/4 temos 3 f-stop (4, 5.6, 8, 11), então temos que diminuir o tempo de exposição em 3 pontos (60, 125, 250, 500). Notar que ao abrir o diafragma deixamos passar mais luz, então devemos diminuir o tempo de exposição para voltar a mesma quantidade de luz medida.
Agora vamos pensar na sensibilidade a luz do meio de captura, o ISO.
A sensibilidade a luz é citada na literatura como velocidade do filme. Isso é um abuso de linguagem, mas faz sentido, pois um filme mais sensível permite que a imagem seja capturada de forma mais rápida. Dessa forma podemos ver que ao usar uma sensibilidade maior a luz (lembrar de questões de ruído e grão no último texto), podemos ter um tempo de exposição menor com a mesma abertura ou uma abertura de diafragma menor com o mesmo tempo. O mesmo vale para sensibilidade menor a luz onde podemos usar um tempo maior de exposição ou uma abertura de diafragma maior.
No exemplo anterior, se supormos que o ISO ajustado na câmera era 800 (ou o filme era ISO 800), poderíamos fazer a mesma fotografia, sem mexer no tempo de exposição, isto é, continuaria com f/4 e 1/60, alterando o ISO de 800 para 100, os 3 stop (100, 200, 400, 800) que foram usados ao sair de f/11 para f/4. Note que, nas câmeras de filme não é tão fácil trocar o filme para fazer uma fotografia com ISO menor (ou maior) quanto o é nas câmeras digitais.
Ainda, nesse exemplo. Nada impede que para se sair da exposição f/11, 1/60 segundos e ISO 800, para uma exposição com abertura f/4 (para diminuir a profundidade de campo), passemos o ISO para 400 (1 stop) e o tempo para 1/250 (2 stop), que totalizam os 3 stop.
São muitas as possibilidades de se manter a mesma exposição, alterando os três parâmetros das câmeras digitais. Devemos lembrar que:
  • Para fechar o diafragma devemos aumentar o tempo de exposição ou o ISO;
  • Para abrir o diafragma, devemos diminuir o tempo de exposição ou o ISO;
  • Para diminuir o tempo de exposição, devemos abrir o diafragma ou aumentar o ISO;
  • Para aumentar o tempo de exposição, devemos fechar o diafragma ou diminuir o ISO;
  • Para diminuir o ISO, devemos abrir o diafragma ou aumentar o tempo de exposição; e
  • Para aumentar o ISO, devemos fechar o diafragma ou diminuir o tempo de exposição.
Com isso, manteremos a mesma exposição medida originalmente.
Uma última informação sobre a reciprocidade diz respeito a chamada falha de reciprocidade. Essa falha ocorre devido à característica da reação química na emulsão fotográfica, que não é linear para tempos de exposição muito pequenos ou muito longos. Uma reação química tem um tempo para que possa ocorrer e não pode ser acelerada ou retardada (*). Dessa forma os filmes fotográficos funcionam bem numa faixa de tempo de exposição, fora dessa faixa a reação química na sensibilização a luz não ocorre da forma esperada. Normalmente, para tempos de exposição entre 1/15 e 1/1000 do segundo a reação química ocorrer dentro do esperado e a reciprocidade é válida ou muito bem comportada. Mas, para tempos de exposição muito pequenos a reação pode não ter tempo de ocorrer acarretando subexposição e para tempos muito longos, pode ocorrer de haver superexposição, mesmo com a abertura de diafragma dentro da reciprocidade para a exposição desejada. Tempos muito curtos de exposição são usados em esporte e tempos muito longos em astronomia.
Pela falha de reciprocidade ser relacionada a forma de captura por uma reação fotoquímica e não fotoelétrica como nos sensores digitais, ela não ocorre na fotografia digital. Porém, para tempos muito longos de exposição, pode ocorrer aumento de ruído eletrônico deviso ao aquecimento do sensor , prejudicando a captura da imagem. Para tempos muito curtos de exposição (muito menores que os 1/8000 das câmeras mais avançadas), também pode ocorrer de não haver luz suficiente para sensibilizar os fotorreceptores a ponto da haver uma boa captura de imagem.
Aqui chegamos ao final de série de textos do básico de fotografia. Espero que essa série de textos seja útil.
Até a próxima.
Flávio RB
OBS.: Este texto foi originalmente publicado na edição 16 da Revista Fotomania. 
(*) Reações químicas como as que ocorrem em filmes fotográficos, podem ser retardadas ou aceleradas, com calor ou falta de calor, mas esse nível de detalhes não é o objetivo principal dessa série de textos. Os efeitos da falha de reciprocidade também podem ser alterados com tratamentos com gases nobres realizados nos filmes, técnica aprimorada na astrofotografia.

2 comentários:

  1. Ótimo e didático texto, Flavio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, meu amigo. Sua opinião é sempre importante e bem vinda para mim.

      Excluir

ATENÇÃO

Perguntas? Dúvidas? Usem meu email disponível na página Sobre mim.

Não responderei a dúvidas nessa área.

Alterei minha "política" relacionada a comentários, visto que as pessoas não leem o que está escrito aqui.

** Postagens mais antigas que 30 dias terão os comentários moderados, comentários relevantes serão liberados, outros tipos de comentários - incluindo perguntas - serão ignorados.

Você pode não concordar com o texto ou com o comentário de outro visitante, mas isso não é motivo para deixar de ser educado e cortês (depende de vocês manter esse espaço com comentários livres - inclusive anônimos - e com moderação seletiva)

Por favor sejam educados para eu não ter que rever esse posicionamento.